Dumeulado


Contos de janeiro.

Era a primeira noite daquele ano. Estava tudo aparentemente calmo. A vida corria devagar, porque nao se tinha muito o que fazer. Na verdade ate se tinham muitas coisas a fazer, mais nenhuma parecia atraente suficiente para lhe tomar o tempo. Seu rosto veio a mente algumas vezes durante a semana. Na verdade, ha algumas com semanas, com s no final. É fácil te lembrar, nas tardes vazias, nos toques do telefone, nas cores azuis. É fácil entender que voce ja partiu, dessa vez sem passagem de volta. Porem tao dificil te esquecer toda vez que acordo…


Janeiro

Primeira tarde do primeiro dia do primeiro ano terminado em dez que eu passo e com voz de quem que eu acordo?
Deus é no mínimo um cara muito ruim, ou talvez o melhor de todos por atender meu ultimo desejo de dois mil e nove.
Eu não tenho mais palavras, estou ouvindo Norah Jones, e acordei feliz hoje.


2010

Primeira postagem do ano.


Últimas

Descobri que ela me ama!.
Muito mais do que posso amar o meu computador.
Mas eu não sei, não sei.
Espero que esse fim de noite sem você, seje o melhor deste ano.
E que no próximo as coisas sejam mais revelantes e emocionantes que as desse ano terminado com nove pode ser.
Não quero escrever, escrevo para ter trezentas e dez, e aqui me desfaço.


Quanto mais.

Tanta pressa, tanto estress, quanto choro, quanta risada, quanta briga, tanta briga, pra que briga, mais teve briga. Tantos encontros, e desencontros, quantas vezes te vi e quantas queria ter visto. Tantos sonhos, tantos pesadelos, tanto sono, quanto sono, mais sono, quero dormir. Quanto alcool, quanta mistura, quanta luz, tanta luz, fumaça, quanta musica, tanta musica, quantas vozes ao meu redor, quantas eu nao sei mais distinguir, tanta falta me faz a sua. Tantos abraços, quantos frouxos, apertados, quantos beijos, ou nao beijos, nao quero lembrar daquele. Quantos livros, tantas paginas, quanta materia interminavel, quantas canetas, tantos escritos, um teclado, tantas visitas. Quantas provas, tantas provas, quanta tensão. tantas ruas, tantos lugares, tantas vezes no mesmo lugar. Tanto te vi, que nao vi nenhuma vez voce passar. Quantos pixels, tantas fotos, quantos gigas e megabytes usado. Quantos dias, quantos minutos. Quanta saudade.


Crazy

Crazy
Norah Jones

Crazy, crazy for feeling so lonely
I’m crazy, crazy for feeling so blue
I know you’d love me as long as you wanted
And then someday, you would leave me for somebody new

Worry, why do I let myself worry ?
Wondering what in the world did I do ?

Crazy for thinking that my love could hold you
Oh i’m crazy for trying and crazy for crying
And I’m crazy for loving you

Worry, why do I let myself worry ?
Wondering what in the world did I do ?

Crazy for thinking that my love could hold you
Oh i’m crazy for trying and crazy for crying
And I’m crazy for loving you


Outro dia que se vai.

Eu tentei postar, a inspiração nao veioe logo se tornaram rascunhos o que eu tentei escrever nos ultimos dias. Porem hoje, hoje é o ultimo dia e nao seria legal nao fazer uma postagem hoje.
Ao meu ver, hoje é mais um dia como outro qualquer. A unica diferença é que hoje o ano acaba e as pessoas fazem promessas, idealizam sonhos, se vestem de branco, fazem simpatias, numa corrente em busca de um prospero ano novo. Nada mal, alias tudo novo lembra recomeço e porque nao começar bem? Mais eu vejo só como uma continuação. Alem da folhinha do calendario, as mudanças vao chegar devagar , mais primeiramente mudanças exteriores ao meu redor. Talvez eu entre pra faculdade, talvez eu tenha que prestar vestibular denovo, talvez eu encontre um novo amor ou fique pra titia, talvez eu va morar em outro lugar ou talvez permaneça aqui, quem sabe. Mais as mudanças interiores, se é que quem le me entende. Em tantos anos, eu acho que eu aprimorei certas qualidades e disfarçei certos defeitos, mais nao acho que tenha mudado pra valer. Há quem diga que as pessoas nunca mudam, que sempre conservam sua essencia. Nao sei, isso é uma variavel, que depende da equaçao de cada um pra se saber o resultado.
Mais tudo bem, deixando essa coisa filosofica de lado, 2009 nao fio nem ruim nem bom. Teve seus altos e baixos, mais com certeza foi um ano de mudanças externas pra mim. De experiencias novas, de brigas, de muita chuva e pouco sol.
Mais eu sempre preferi a chuva.


Reflexões apos um filme.

(cartaz do filme atos que desafiam a morte)

Eu nao sei se o que me encanta no espiritismo é o fato de ser a doutrina que mexe com o sobrenatural que mais se aproxima da minha realidade. As vezes é preciso ver magica nas coisas pra que elas se tornem mais emocionantes e menos monotonas. Pena nunca ter acontecido uma experiencia sobrenatural forte o bastante comigo pra eu poder dizer que tenho fé. Mais aconteceram coisas, uma vez ou outras que eu achei interessante o suficiente para nao preferir acreditar que eram apenas coincidencias.


Em.Vê.lhe.sendo.

Busco inspiraçoes aonde nao existem. Afogo me nas palavras de quem nao quero questionar. procuro, em palavras alheias, fonte de renovaçoes, para prolongar por mais um pouco a minha estada aqui. Perco me nos meus dias,que de tao rapidos se desintegram diante dos meus olhos sem eu notar que eles estao indo. Eu nao estou notando mais. Eu nao estou notando mais que as rugas estão aparecendo em sua face, tao misteriosas e sutis,mudando lentamente a expressão que eu conhecia. Eu nao estou notando que as dores estao se acentuando em mais de um orgão em meu corpo. Eu nao estou notando que voce esta se afastando de mim, e que sinto saudades sem querer sentir. Meus segredos eu esqueci. Se alguem tivesse ao menos guardado eles pra mim. A tinta esta desaparecendo, e os velhos fios castanhos estao querendo olhar o teto denovo antes que desbotem e se tornem somente brancos. Eu nao escuto como antes, eu nao enxergo como antes eu nao sinto como antes. Estou velha.


Cabreiro + (dü12 = 5/12)

Existe no oceano, um peixe que não pode ver, ele habita as profundesas com uma luz em sua face, e sempre sozinho, o que me faz lembrar muito de min, eu que sempre com uma (agora duas) luzes em minha cara fico só aqui.
Se esse peixe não fosse tão feio eu tentaria visita-lo pra fazer companhia quando euc hegar no topo do mundo, pensando bem, a belesa não me importa, mas aqueles dentões, isso sim importa.

No more words.